Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

anagoncalvesreikivivernaluz

Prestamos serviços, formação e voluntariado em : Reiki, karuna, Cristaloterapia, Meditação, Terapia de regressão, Psicologia Clínica, Acupunctura,Reflexologia, Osteopatia, Homeopatia, Naturopatia...

anagoncalvesreikivivernaluz

Prestamos serviços, formação e voluntariado em : Reiki, karuna, Cristaloterapia, Meditação, Terapia de regressão, Psicologia Clínica, Acupunctura,Reflexologia, Osteopatia, Homeopatia, Naturopatia...

Meditação


O que é a meditação?


A meditação é um método para familiarizar a nossa mente com objectos virtuosos. Quanto mais familiarizada com virtude, mais calma estará a nossa mente. Com uma mente calma estaremos livres de insatisfação e experimentaremos felicidade verdadeira. Se a nossa mente estiver serena, então, mesmo que tenhamos as melhores condições externas, não estaremos livres felizes. Ao contrário, se treinarmos a nossa mente para que ela se torne serena, seremos felizes todo o tempo., mesmo nas situações mais adversas. Por esta razão é importante treinar a nossa mente por meio da meditação.


Existem dois tipos de meditação: analítica e posicionada. A meditação analítica consiste em contemplar o significado de uma instrução de Dharma que ouvimos ou lê-mos. Analisamos o objecto utilizando linhas de raciocínio que ouvimos ou lê-mos, assim como as nossas próprias experiências sobre o tema. Ao contemplar profundamente, chegaremos a uma conclusão, ou geraremos um estado mental específico. Este será o objecto da meditação posicionada. Tendo encontrado o nosso objecto através da meditação analítica, nós, então, concentramo-nos nele unifocadamente pelo maior tempo possível, para nos familiarizar profundamente com ele. Esta concentração unifocada é a meditação posicionada, enquanto que a analítica é chamada simplesmente de 'contemplação'. A meditação posicionada depende da contemplação, e a contemplação depende de escutar ou ler os ensinamentos de Dharma.


 


Porquê meditar?


Se examinarmos as nossas vidas, iremos, provavelmente, descobrir que a maior parte do nosso tempo e energia são orientados para a conquista de metas mundanas, tais como buscar segurança material e emocional, desfrutar dos prazeres dos sentidos, ter boa reputação, etc. Embora tais coisas possam trazer alguma satisfação temporária, elas são incapazes de prover a felicidade profunda e duradoura que tanto almejamos. Mais cedo ou mais tarde essa felicidade converte-se em insatisfação e surpreendemo-nos novamente envolvidos na procura de mais prazeres mundanos.


Mas, se a satisfação verdadeira não pode ser encontrada nos prazeres mundanos, onde poderemos encontrá-la? A felicidade é um estado mental, logo, a verdadeira fonte de felicidade não reside em condições exteriores, mas sim na mente. Se tivermos uma mente pura e serena, estaremos felizes, independentemente das nossas circunstâncias externas. Ao contrário, se tivermos uma mente perturbada, nunca encontraremos felicidade, por mais que tentemos mudar as nossas condições externas.


O objectivo da meditação é cultivar os estados mentais que são conducentes à paz e à felicidade, e erradicar os que trazem confusão e sofrimento. Apenas os seres humanos podem trazer isto. Os animais podem desfrutar comida e sexo, encontrar abrigos, armazenar provisões, subjugar os seus inimigos e proteger as suas famílias, mas não podem eliminar o sofrimento, nem conquistar felicidade duradoura. Seria uma causa de profundo arrependimento se usássemos a nossa vida humana preciosa para obter resultados que até os animais podem obter. Porém, podemos evitar tal desperdício e tornar a nossa vida verdadeiramente significativa se treinarmos a nossa mente através de meditação.


 


Como se medita?


Escolhemos um local sossegado, e então assumimos a seguinte postura:


A postura em sete pontos


A utilidade desta postura é extensamente explicada nos textos sobre os diferentes yogas. Mas sucintamente, o objectivo é permitir aos elementos subtis nos diferentes centros do corpo que recuperem o seu equilíbrio.


As pernas estão na posição de lótus ou de vajra (cruzadas uma sobre a outra) ou na posição dita do Bodhisattva (cruzadas uma à frente de outra).


A coluna vertebral é mantida direita como uma flecha.


Os ombros estão puxados para trás, «como as asas dum abutre».


As palmas das mãos estão postas sobre os joelhos; ou ainda, a mão direita repousa dentro da mão esquerda ao nível do umbigo, as palmas das mãos viradas para cima com a extremidade dos polegares em contacto;


A língua, nem enrolada nem crispada, repousa confortavelmente contra o palato;


Os olhos podem estar abertos ou fechados. No caso presente, deixamo-los numa posição perfeitamente natural, nem fechados, nem encarquilhados;


A cabeça não deve pender nem para trás nem para a frente: o pescoço deve estar direito e o queixo ligeiramente para dentro, de forma a manter a coluna direita


Então, concentramo-nos unifocadamente no acto de inalar e exalar, é muito importante a concentração na respiração pois traz calma, e paz. (poderá encontrar um texto mais aprofundado sobre a meditação na respiração Existem muitas meditações diferentes contudo todas elas começam com a meditação na respiração, de modo a acalmar a nossa mente para uma contemplação mais profunda.


 


Meditações Respiratórias


A principal actividade mental utilizada nas meditações respiratórias é a atenção, a habilidade de se manter concentrado no que quer que esteja a fazer, sem esquecer disso ou divagar a respeito de outros assuntos. Nesse caso o objecto de concentração é a própria respiração da pessoa. Na sua forma mais efectiva, a atenção é acompanhada por uma vigilância sagaz, outra função da mente que, como um sentinela, está à espreita de distracções e de pensamentos perturbadores.


A meditação respiratória ou de atenção é uma técnica de inestimável valor, a sua prática regular ajudará a gradualmente obter controlo sobre a sua mente você se sentirá mais relaxado e mais apto a gozar a vida, possuindo maior sensibilidade com relação a você mesmo às pessoas e coisas à sua volta. Além disso, a utilização da sua atenção ampliada em outras meditações fará com que você seja capaz de manter a concentração por períodos mais longos.


 


Prática:


 


Sente-se com as pernas rectas e relaxe o corpo. Traga à mente os seus motivos, ou o seu propósito, para realizar esta meditação e decida que no decorrer da sessão você manterá a atenção no objecto de concentração de modo a atender a essa finalidade.


 


Escolha qualquer método abaixo para meditar:


 


1.Concentre-se na sensação na ponta do nariz, à medida que o fôlego entra e sai do seu corpo. Mantenha a sua atenção nessa percepção subtil e observe a duração completa de cada inspiração e expiração. Se você desejar, pode contar em ciclos de cinco ou dez respirações completas, começando novamente do número um, sempre que perder a conta ou a sua mente divagar.


 


2. Utilize o método acima descrito, porém, concentre-se agora no subir e descer do abdómen a cada inspiração e expiração.


Seja qual método escolhido, respire de modo normal e suave. Mantenha uma atitude neutra com relação aos pensamentos que vierem, não se atraindo a eles ou repelindo-os. Simplesmente observe a sua existência e volte a sua atenção ao objecto da meditação. Seja paciente e persistente, os seus pensamentos acabarão por se aquietarem. Os pensamentos vêm e vão; eles são transitórios, momentâneos.


 


3.Observe-os e deixe-os ir, voltando a atenção rapidamente ao objecto de meditação.


Quando a sua intuição estiver mais desenvolvida e a sua habilidade em evitar pensamentos e distracções tiver aumentado, avance a sua vigilância um passo à frente. Faça observações mentais a respeito da natureza dos pensamentos que surgem, tais como "pensando no meu amigo" ou "café da manhã".


Esses métodos de manejar as distracções podem ser aplicados a qualquer meditação. Não adianta ignorar ou suprimir pensamentos perturbadores ou a energia negativa, porque eles voltarão persistentemente.


Ao terminar a sessão, dedique a energia positiva criada pela sua meditação ao cumprimento de qualquer que seja a meta com que você tenha começado.


Fonte: Como Meditar - Kathleen Mc Donald e outros


 



Variação Nº 1


 


a) Deite-se em decúbito dorsal e descontraia todo o corpo;


b) Flexione os joelhos deixando as plantas dos pés no chão e afastados um do


Outro cerca de dois palmos, os joelhos ficam juntos se apoiando mutuamente;


c) Deixe os braços no chão no prolongamento natural do corpo;


d) Inspire profundamente e retenha a respiração sem fazer força e;


e) Repita OM mentalmente enquanto estiver expirando lentamente;


f) Terminando de expirar comece tudo outra vez.


 


Variação Nº 2


 


a)Deite-se em decúbito dorsal e descontraia todo o corpo;


b) Flexione os joelhos deixando as plantas dos pés no chão e afastados um do


Outro cerca de dois palmos, os joelhos ficam juntos se apoiando mutuamente;


c) Ponha as mãos sobre o ventre;


d) Inspire profundamente e retenha a respiração sem fazer força e;


e) Expire no dobro do tempo da inspiração;


f) Terminando de expirar comece tudo outra vez.


Tempo: Entre Cinco a quinze minutos.


 


Efeitos: Relaxamento físico e mental, redução do stress.