Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

anagoncalvesreikivivernaluz

Prestamos serviços, formação e voluntariado em : Reiki, karuna, Cristaloterapia, Meditação, Terapia de regressão, Psicologia Clínica, Acupunctura,Reflexologia, Osteopatia, Homeopatia, Naturopatia...

anagoncalvesreikivivernaluz

Prestamos serviços, formação e voluntariado em : Reiki, karuna, Cristaloterapia, Meditação, Terapia de regressão, Psicologia Clínica, Acupunctura,Reflexologia, Osteopatia, Homeopatia, Naturopatia...

DAI- KO-MYO

DAI-KO-MYO

 

Dumo

 

Dai-Ko-Myo Tibetano

 


 


 

O Dai-Ko-Myo é o símbolo de Mestre de Mikao Usui sendo um dos que intuiu integrar no seu sistema, Usui Reiki Ryoho, e é o único Símbolo do Reiki que é simultaneamente kanji e símbolo e possibilita aos mestres de Reiki, sintonizarem novos mestres de Reiki. O nome do símbolo pode significar: "Grande Ser do Universo brilha em mim" ou literalmente: "Grande Luz Brilhante"

O
Dai-Ko-Myo é o símbolo da realização, o símbolo dos Mestres. O significado deste símbolo pode ser traduzido como: "Grande Ser do Universo brilha em mim" ou literalmente: "Grande Luz Brilhante"
Sua utilização permite uma conexão imediata entre o “
Eu físico” e o “ Eu superior “, por esse motivo é indispensável o seu uso durante os processos de sintonização, tanto de cura como de tornar novos reikianos.
O
Dai-Ko-Myo traz sabedoria ilimitada através da manifestação da divindade sobre o plano físico, este fará com que ocorra uma intensificação da captação da energia Reiki, ampliando e acelerando os efeitos dos símbolos Cho-Ku-Rei, Sei-He-Ki e Hon-Sha-Ze-Sho-Nen. Ele nos colocará em contacto com energias de alta-frequência, acelerando as partículas energéticas do nosso corpo e do campo vibracional á nossa volta, limpando de imediato todos os canais eléctricos que servem de condução á energia Reiki. Faz com que o nosso volume de energia seja ilimitado.

O Dai-Ko-Myo ou 4º símbolo, pode ser usado como potencializador em qualquer espécie de trabalho de cura ou transformação, pode ser utilizado em qualquer lugar, a qualquer hora, mesmo quando estivermos a conduzir.
O Reiki começará a fluir nas nossas mãos independentemente do que estivermos a fazer com elas, nunca deveremos esquecer que o mantra (nome do próprio símbolo) deve ser soletrado ou pensado sempre três vezes.

O Dai-Ko-Myo, deve ser sempre aplicado antes de todos os outros símbolos para que possamos amplificá-los.
No auto-tratamento, antes de começarmos a aplicação, usamos o Dai-Ko-Myo seguido do Cho-Ku-Rei. Para tratar problemas emocionais, usamos, na sequência, o Dai-Ko-Myo seguido do Sei-He-Ki e por fim o Cho-Ku-Rei. Para tratar processos mentais e curas de acontecimentos passado/futuro, usamos a sequência Dai-Ko-Myo, Hon-Sha-Ze-Sho-Ne, Sei-He-Ki finalizando com o Cho-Ku-Rei, nunca deveremos esquecer que o Cho-Ku-Rei é um potencializador ou seja o símbolo do poder por esse motivo deveremos sempre coloca-lo por cima de qualquer símbolo.

O mesmo raciocínio serve para o tratamento de multidões e outras pessoas, sendo que neste caso, este símbolo, assim como os outros, serão visualizados sobre a cabeça do paciente no sentido da testa para a nuca.
Na cura á distância, as técnicas são as mesmas do 2º nível, incluindo-se o novo símbolo, a sequência ficará, Dai-Ko-Myo, Hon-Sha-Ze-Sho-Ne, Sei-He-Ki e por fim o Cho-Ku-Rei. Esta nova modalidade permitirá a irradiação de energia para um número ilimitado de pessoas, simultaneamente.
Existem, actualmente, diferenças na maneira de desenhar, ensinadas por diferentes Mestres. Todas as versões funcionam bem, não sendo fundamental que todos o tracem da mesma forma. O importante na aplicação dos símbolos Reiki, é a intenção. Aconselho por experiência própria, que o utilizem da forma que mais intuírem, gostarem.





 










DAI- KO-MYO

DAI-KO-MYO
 
Dumo
 
Dai-Ko-Myo Tibetano

 

 

 

O Dai-Ko-Myo é o símbolo de Mestre de Mikao Usui sendo um dos que intuiu integrar no seu sistema, Usui Reiki Ryoho, e é o único Símbolo do Reiki que é simultaneamente kanji e símbolo e possibilita aos mestres de Reiki, sintonizarem novos mestres de Reiki. O nome do símbolo pode significar: "Grande Ser do Universo brilha em mim" ou literalmente: "Grande Luz Brilhante"

O
Dai-Ko-Myo é o símbolo da realização, o símbolo dos Mestres. O significado deste símbolo pode ser traduzido como: "Grande Ser do Universo brilha em mim" ou literalmente: "Grande Luz Brilhante"
Sua utilização permite uma conexão imediata entre o “
Eu físico” e o “ Eu superior “, por esse motivo é indispensável o seu uso durante os processos de sintonização, tanto de cura como de tornar novos reikianos.
O
Dai-Ko-Myo traz sabedoria ilimitada através da manifestação da divindade sobre o plano físico, este fará com que ocorra uma intensificação da captação da energia Reiki, ampliando e acelerando os efeitos dos símbolos Cho-Ku-Rei, Sei-He-Ki e Hon-Sha-Ze-Sho-Nen. Ele nos colocará em contacto com energias de alta-frequência, acelerando as partículas energéticas do nosso corpo e do campo vibracional á nossa volta, limpando de imediato todos os canais eléctricos que servem de condução á energia Reiki. Faz com que o nosso volume de energia seja ilimitado.

O Dai-Ko-Myo ou 4º símbolo, pode ser usado como potencializador em qualquer espécie de trabalho de cura ou transformação, pode ser utilizado em qualquer lugar, a qualquer hora, mesmo quando estivermos a conduzir.
O Reiki começará a fluir nas nossas mãos independentemente do que estivermos a fazer com elas, nunca deveremos esquecer que o mantra (nome do próprio símbolo) deve ser soletrado ou pensado sempre três vezes.

O Dai-Ko-Myo, deve ser sempre aplicado antes de todos os outros símbolos para que possamos amplificá-los.
No auto-tratamento, antes de começarmos a aplicação, usamos o Dai-Ko-Myo seguido do Cho-Ku-Rei. Para tratar problemas emocionais, usamos, na sequência, o Dai-Ko-Myo seguido do Sei-He-Ki e por fim o Cho-Ku-Rei. Para tratar processos mentais e curas de acontecimentos passado/futuro, usamos a sequência Dai-Ko-Myo, Hon-Sha-Ze-Sho-Ne, Sei-He-Ki finalizando com o Cho-Ku-Rei, nunca deveremos esquecer que o Cho-Ku-Rei é um potencializador ou seja o símbolo do poder por esse motivo deveremos sempre coloca-lo por cima de qualquer símbolo.

O mesmo raciocínio serve para o tratamento de multidões e outras pessoas, sendo que neste caso, este símbolo, assim como os outros, serão visualizados sobre a cabeça do paciente no sentido da testa para a nuca.
Na cura á distância, as técnicas são as mesmas do 2º nível, incluindo-se o novo símbolo, a sequência ficará, Dai-Ko-Myo, Hon-Sha-Ze-Sho-Ne, Sei-He-Ki e por fim o Cho-Ku-Rei. Esta nova modalidade permitirá a irradiação de energia para um número ilimitado de pessoas, simultaneamente.
Existem, actualmente, diferenças na maneira de desenhar, ensinadas por diferentes Mestres. Todas as versões funcionam bem, não sendo fundamental que todos o tracem da mesma forma. O importante na aplicação dos símbolos Reiki, é a intenção. Aconselho por experiência própria, que o utilizem da forma que mais intuírem, gostarem.




 









SIMBOLOS DO 3º NÍVEL


SÍMBOLOS DO 3º NÍVEL

Como já foi dito no 2º nível, os símbolos são instrumentos e podemos mais tarde ou mais cedo dispensa-los. Ajudam-nos a manter a nossa concentração virada para um aspecto da energia ou do processo energético. Na forma ocidental de Reiki tornaram-se mais importantes porque não queremos disponibilizar muito tempo para seguir um Mestre e seus ensinamentos.
No ponto de vista Japonês somos uns preguiçosos e tenho alguma simpatia por esta opinião. No seu Website (
www.reikidharm.com) Frank Arjava Petter, autor do livro (Reiki Fire) conta que as origens dos símbolos estão numa forma Japonesa do budismo Tibetano e no xintoísmo Japonês.


SIMBOLOS DO 3º NÍVEL


SÍMBOLOS DO 3º NÍVEL

Como já foi dito no 2º nível, os símbolos são instrumentos e podemos mais tarde ou mais cedo dispensa-los. Ajudam-nos a manter a nossa concentração virada para um aspecto da energia ou do processo energético. Na forma ocidental de Reiki tornaram-se mais importantes porque não queremos disponibilizar muito tempo para seguir um Mestre e seus ensinamentos.
No ponto de vista Japonês somos uns preguiçosos e tenho alguma simpatia por esta opinião. No seu Website (
www.reikidharm.com) Frank Arjava Petter, autor do livro (Reiki Fire) conta que as origens dos símbolos estão numa forma Japonesa do budismo Tibetano e no xintoísmo Japonês.


TER UM MESTRADO E SER UM MESTRE



Por ficar sintonizado com a frequência vibratória do 3º nível, não implica que um individuo se torne um Mestre de Reiki, mas abre-lhe as portas para chegar a esse nível passar do Ter um Mestrado de Reiki ao Ser um Mestre de Reiki é algo que depende muito do ritmo a que o praticante de 3º nível consegue deixar cair aos véus da ilusão que o impedem de ver a verdade que está para além dessas portas.
Receber os ensinamentos misteriosos, oferece ao praticante de Reiki o título de Mestre algo que ele sabe que pode não valer nada, porque em simultâneo, o
3º nível oferece a responsabilidade de tentar descortinar o que está para lá do título – um enigma que o praticante terá de descobrir por si só. Quando o descobre, então talvez se possa dizer que é um Mestre de reiki – porém, por essa altura, o título desaparece – já não lhe diz nada, é somente uma necessidade social. Outros mistérios esperam para serem revelados.

TER UM MESTRADO E SER UM MESTRE



Por ficar sintonizado com a frequência vibratória do 3º nível, não implica que um individuo se torne um Mestre de Reiki, mas abre-lhe as portas para chegar a esse nível passar do Ter um Mestrado de Reiki ao Ser um Mestre de Reiki é algo que depende muito do ritmo a que o praticante de 3º nível consegue deixar cair aos véus da ilusão que o impedem de ver a verdade que está para além dessas portas.
Receber os ensinamentos misteriosos, oferece ao praticante de Reiki o título de Mestre algo que ele sabe que pode não valer nada, porque em simultâneo, o
3º nível oferece a responsabilidade de tentar descortinar o que está para lá do título – um enigma que o praticante terá de descobrir por si só. Quando o descobre, então talvez se possa dizer que é um Mestre de reiki – porém, por essa altura, o título desaparece – já não lhe diz nada, é somente uma necessidade social. Outros mistérios esperam para serem revelados.

Pág. 1/4